top of page
  • Foto do escritorMarcio Leite

Como usar design thinking para ser mais inovador

Confira seis dicas inspiradas no design thinking para realizar projetos e definir um processo de inovação mais eficiente.



Artigo originalmente publicado por Domestika em 08/12/2021

https://www.domestika.org/pt/blog/9553-como-usar-design-thinking-para-ser-mais-inovador-em-2022


 

Para o designer Tim Brown, fundador da IDEO, uma das empresas de design mais inovadoras da atualidade, o design thinking é uma abordagem focada no ser humano para resolução de problemas e inovação.


Este processo criativo utiliza um kit de ferramentas para integrar as necessidades das pessoas, as possibilidades da tecnologia e os requisitos para o sucesso de negócios de diversos tamanhos.


O design thinking também proporciona uma maneira de ser mais inovador no dia a dia através de pesquisa, cocriação e processos ágeis. É o que acredita o designer e mestre em Design pela UAL-LCC / London College of Communication Márcio Fábio Leite (@marciofabioleite), autor do livro Geração Pixelada, um método de pesquisa em design sobre subcultura jovem, redes sociais e indústria de consumo.


O design thinking é uma ferramenta de inovação


Especialista na construção de discursos e estratégias para marcas, produtos e serviços a partir das abordagens e processos de design colaborativo, o designer brasileiro trabalhou ao longo da sua carreira para importantes empresas como AMBEV, Philip Morris, O Boticário, Marisol, Ferrero, canais Globosat e Globo.


Nestas últimas, Márcio implementou e liderou um innovation lab, desenvolvendo projetos e operações de inovação sistêmica com áreas internas e com diversas marcas anunciantes do mercado publicitário. Seu curso online será lançado em breve na Domestika.


Para ajudar você a utilizar o design thinking como uma ferramenta de inovação, o especialista na construção de discursos e estratégias para marcas compartilha abaixo dicas essenciais para começar 2022 com um processo criativo claro e eficiente.

 

1. Identifique o problema


O primeiro passo para qualquer processo de inovação, e para o design thinking em si, é saber identificar o problema que precisa ser resolvido. Esta etapa é conhecida como "enquadrar o problema".


Pode ser a criação de um produto, serviço, a abertura de uma loja ou o desenvolvimento de um novo processo dentro de uma empresa. É essencial que seja um problema complexo e que exige a elaboração de uma solução.

Para Márcio Leite, um problema simples, como pintar uma parede, é facilmente resolvido e não precisa de design thinking.


Um problema complexo envolve mais pessoas, de disciplinas diferentes, e as ferramentas do design podem ser utilizadas com mais eficiência.


O primeiro passo para qualquer processo criativo, e para o design thinking em si, é saber identificar o problema que precisa



 

2. Pesquise, pesquise, pesquise


Depois que o problema estiver definido, ou pelo menos claro, você começará a fase de pesquisa. Pode ser uma pesquisa de campo entrevistando pessoas envolvidas. Se você está pensando em desenvolver um novo serviço, por exemplo, poderá entrevistar seus clientes, amigos, outros criativos e pessoas que podem se interessar por este serviço. Dessa forma você colherá informações valiosas para o projeto.


"Você pode fazer também uma pesquisa de mesa, que é buscar informações e referências em sites, livros, artigos, redes sociais, relatórios, etc. Existem diversas empresas que disponibilizam relatórios interessantes gratuitamente, permitindo que você possa tomar melhores decisões", diz o especialista.


E acrescenta:


"Além disso tudo, você pode usar imagens, áudios, vídeos e outra ferramentas de pesquisa. O importante desta fase é reunir o máximo de informações possíveis para te ajudar a entender melhor o problema".



Pesquisa intensiva é parte fundamental do design thinking



 

3. Faça uma curadoria, um filtro


Depois que você descobriu um monte de coisas, chegou a hora de filtrar todo o material recolhido e fazer escolhas.



"Na metodologia do duplo diamante, a pesquisa é o momento de abertura e coleta de informações, quando o diamante abre. O filtro é o momento em que o diamante fecha, converge", explica Márcio.



Você começará a definir desafios específicos que se relacionam com o que você quer resolver. Para isso pode organizar a informação em cartões ou post-its, transformando tudo isso em painéis visuais. Entram neste processo imagens, frases interessantes e dados.

Para o designer, este é o momento de entender o que é insight de verdade.



Na metodologia do duplo diamante, a pesquisa é o momento de abertura e coleta de informações



 

4. Comece a cocriar


É com todas essas informações e insights em mãos que você começará o processo de cocriação. O ideal é reunir todas as pessoas que estão relacionadas ao problema para que possam validar as informações encontradas na pesquisa ou refutá-las. Este momento é importante para que todos os envolvidos possam contribuir com seus conhecimentos, enriquecendo todo o processo criativo.



"Todo mundo participa, dá ideia e o designer é quem geralmente conduz a sessão e organiza tudo o que foi discutido e descoberto. É um processo bem democrático e participativo que as pessoas podem votar, vetar e dar opinião para chegar numa super ideia", sugere Márcio Leite.



Organize a informação em cartões ou post-its, transformando tudo isso em painéis visuais



 

5. Crie um protótipo


Depois do processo de cocriação, é hora de prototipar e colocar a mão na massa. Você criará um pequeno modelo com as soluções discutidas para colocar o projeto em prática. Se for um serviço, entender e detalhar o que será. Se for um produto, criar uma versão preliminar.


"A prototipagem é um modelo, uma maquete, um desenho 3D, uma ilustração realista ou um vídeo. É importante porque na prototipagem você consegue ver os erros da ideia, assim como os problemas que pode resolver. É possível antecipar processos e problemas para economizar na execução. Com esse protótipo você poderá procurar um investidor para mostrar a sua ideia, por exemplo, pois já sabe que é a melhor, pré-validada", detalha o designer.



 

6. É hora de implementar


Feito o protótipo, está na hora de fazer ajustes para chegar na solução específica ou solução final. É o projeto que será implementado, o serviço ou produto que você está pensando desde o início para o seu projeto criativo.


Todo este processo parece complicado, mas na verdade é bastante simples, pois você eliminará problemas ao longo do caminho e economizará tempo e dinheiro agilizando todas as etapas de um projeto, testando e colocando-o para rodar o mais rápido possível.



O processo de design thinking parece complicado, mas é bastante simples, pois você elimina problemas ao longo do caminho


Você pode utilizar cada uma dessas etapas em escalas diferentes, solucionando problemas do dia a dia ou criando seu mais novo grande projeto. Utilizando as ferramentas do design thinking, você será capaz não só de inovar, mas de ser mais criativo e colaborativo para encontrar soluções igualmente criativas.


Autor do livro 'Geração Pixelada', Márcio Fábio Leite é é especialista na construção de discursos e estratégias para marcas


 


留言


bottom of page